quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

ESTUDO RELIGIOSO NAS ESCOLAS PÚBLICAS











Salmos 34:11
  Vinde, meninos, ouvi-me; eu vos ensinarei o temor do Senhor.









Eu lamento profundamente o modo como as crianças são educadas. Não estou familiarizado inteiramente com o modo como as coisas acontecem nos Estados onde a instrução religiosa é uma imposição do Estado e obrigação legal. Isto é inconstitucional, porque não se ensinam religião em sentido lato, mas é uma imposição, um método malicioso, político acima de tudo. Não é à toa que o Rio de Janeiro tornou-se o Estado mais protestante do Brasil no governo de Anthony Garotinho.



Isto me leva à observação sobre o abuso mental de crianças. Como se pode dizer que uma criança seja Muçulmana, ou Cristã, ou Hindu, ou Judia? 

ENSINEM AS CRIANÇAS A PERGUNTAR E NÃO A RESPONDER


A Religião é um domínio em nossa cultura em que aceita-se prontamente, sem questionamento – sem nem mesmo se aperceber do quanto isto é bizarro – que pais tenham uma palavra total e absoluta sobre o que seus filhos serão, como seus filhos vão ser formados, que opiniões seus filhos terão sobre o cosmos, sobre a vida, sobre a existência. Você compreende o que quero dizer quando me refiro a abuso mental de crianças?



Seria interessante também ensinar mais que uma teoria da criação. A dominante nesta cultura é o mito da criação judeu, extraído do mito da criação babilônico.



Por estes motivos, tenho protestado contra o ensino do criacionismo nas escolas públicas. Não é pelo fato de explicar as crianças que existe um Deus, que criou Adão e Eva, mas pelo fato de omitirem propositadamente que outros deuses também criaram os povos que neles crêem.





Mas é da classe dominante a maior parcela de culpa. O pai de uma criança logo cedo é instigado pelos representantes das igrejas a trazerem seus filhos para a igreja, por bem o por mal. Há todo tipo de castigo em cima de uma criança indefesa, desde a coação psicológica e até mesmo castigos físicos.



As escolas dominicais, por outro lado, são responsáveis por tudo isso. Se pega uma criança ainda em tenra idade e abusam mentalmente dela, criando-se traumas como denunciado na midia.



O que se ensinam as crianças nessas escolas dominicais: Temer a Deus, exemplos de castigos eternos, demônios que existem e levam para o inferno quem não segue os ensinamentos dos pastores, e o resultado é esse que nós vemos. Adultos inseguros, angustiados, vazios e sem nenhuma perspectiva.



O Ministério Público deve tomar conhecimentos desses fatos e obrigar que os Pastores reparem o dano causado a mente dos dominados.



Em muitos a lavagem cerebral foram de tal forma aplicada, que embora se mostre que a Terra gire em torno do sol, que morcego não é ave, que a semente não tem que primeiro morrer para depois germinar, que ouro e prata não enferrujam, que a menor semente do mundo não é a da mostarda, eles não enxergam e continuam cegos, acreditando que a Bíblia é a palavra de Deus. É lamentável tudo isso.



 Eu tenho dito para todos os pais e mães: mantenham seus filhos longe dos sacerdotes e pregadores; longe das escolas dominicais ortodoxas; longe dos escravos da superstição.


Eles os ensinarão a acreditar no demônio, no inferno, na prisão de Deus, no calabouço eterno, onde as almas dos homens serão lançadas para sofrerem eternamente. Essas coisas apavorantes são parte da cristandade.



Retirem essas mentiras da doutrina cristã e todo seu esquema cairá numa ruína disforme. Este dogma do inferno é a infinita selvageria – o sonho da vingança insana. Faz de Deus uma besta selvagem – uma eterna hiena. Faz de Cristo um ser tão impiedoso como as presas de uma serpente. Salvem essas pobres crianças da poluição deste horror. Protejam-nas desta infinita selvageria. 

s, as religiões são responsáveis pela lavagem cerebral de milhões de crianças jovensais para distinguir entre a realidade e as fantasias de sua comunidade. Catedrais, procissões, cânticos e rituais podem deixar impressões duradouras em suas mentes ainda em formação. Mais tarde, o desejo de pertencer a um grupo e o medo do ostracismo e isolamento as mantêm fiéis, evitando que encarem as suas próprias dúvidas, descartando-as como um comportamento socialmente inaceitável.





As crianças também aprendem que:



 -Todos são igualmente insignificantes e sem merecimento diante de Deus.



-Você nasceu em pecado e é pecaminoso por natureza.



-Não pense, não pergunte. Acredite. - Quem é você para questionar o padre, o pastor, o rabino?



-Se você tem algum valor, não é por causa de alguma coisa que você fez ou fará, mas porque Deus te ama.



-Submissão ao que você não pode compreender é o fundamento da moralidade.



-Não tenha vontade própria. Auto-afirmação é o pecado do orgulho.



-Nunca pense que você se pertence. - Em caso de conflito entre sua opinião e a das autoridades religiosas, é nas autoridades que você deve acreditar.

 

Que auto-estima elas terão? Que tipo de sociedade pode resultar disto?





Paz é quando opiniões diferentes vivem lado a lado.

ABUSO MENTAL DE CRIANÇAS



CÓDIGO PENAL BRASILEIRO
Art. 173  - Abuso de Incapaz
Conceito:
Abusar, em proveito próprio ou alheio, de necessidade, paixão, ou inexperiência de menor, ou da alienação ou debilidade mental de outrem, induzindo qualquer deles à pratica de ato suscetível de produzir efeito jurídico, em prejuízo próprio ou de terceiro.

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.




Nenhum comentário:

Postar um comentário