terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A ALMA, SEGUNDO A BÍBLIA






"A mulher tem alma? Indagavam os antigos, achando que não, porque na Bíblia, no Velho Testamento, livro dos Gêneses, capítulo 2, versículo 7, está escrito que Deus ao criar o homem do pó da terra, lhe soprou nas narinas o fôlego da vida, e o homem passou a ser alma vivente, mas depois ele fez a mulher de uma costela de Adão e não soprou absolutamente o fôlego da vida nas narinas de Eva, então ela não teria alma ou quando muito seria de natureza inferior a do homem."



 A palavra hebraica traduzida como “alma” é né·fesh, e ela ocorre 754 vezes nas Escrituras Hebraicas. O que significa né·fesh? Segundo The Dictionary of Bible and Religion (Dicionário de Bíblia e Religião), “usualmente refere-se ao inteiro ser vivo, ao indivíduo como um todo”. Isto é confirmado pela descrição bíblica da alma em Gênesis 2:7: “Jeová Deus passou a formar o homem do pó do solo e a soprar nas suas narinas o fôlego de vida, e o homem veio a ser uma alma vivente.” Note que o primeiro homem “veio a ser” uma alma. Quer dizer, Adão não tinha uma alma; ele era uma alma — assim como alguém que se torna médico é médico. Portanto, a palavra “alma” aqui descreve a pessoa como um todo.


 A palavra traduzida como “alma” (psy·khé) ocorre mais de cem vezes nas Escrituras Gregas Cristãs. Assim como né·fesh, esta palavra muitas vezes refere-se à pessoa como um todo. Por exemplo, considere as seguintes declarações: “Minha alma está aflita.” (João 12:27) “Sobre cada alma começou a cair temor.” (Atos 2:43) “Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores.” (Romanos 13:1) “Falai consoladoramente às almas deprimidas.” (1 Tessalonicenses 5:14) “Poucas pessoas, isto é, oito almas, foram levadas a salvo através da água.” (1 Pedro 3:20) Psy·khé, assim como né·fesh, refere-se claramente à pessoa como um todo. Segundo o erudito Nigel Turner, esta palavra “significa aquilo que é caracteristicamente humano, o eu, o corpo material no qual se soprou o rûa [espírito] de Deus. . . . A ênfase é no eu como um todo”.
 
 É interessante que, na Bíblia, a palavra “alma” não só se aplica aos humanos, mas também aos animais. Por exemplo, ao descrever a criação das criaturas marítimas, Gênesis 1:20 diz que Deus ordenou: “Produzam as águas um enxame de almas viventes.” E no próximo dia criativo, Deus disse: “Produza a terra almas viventes segundo as suas espécies, animal doméstico, e animal movente, e animal selvático da terra, segundo a sua espécie.” — Gênesis 1:24; note Números 31:28.


De modo que a palavra “alma”, conforme usada na Bíblia, refere-se a uma pessoa ou a um animal, ou à vida que a pessoa ou o animal tem. A definição bíblica da alma é simples, coerente e livre das complicadas filosofias e das superstições dos homens. Sendo assim, precisamos fazer a pergunta urgente: Segundo a Bíblia, o que acontece à alma na morte?



Os mortos não estão conscientes?



 A condição dos mortos é tornada clara em Eclesiastes 9:5, 10, onde lemos: “Os mortos não sabem coisa nenhuma . . . Na sepultura . . . não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.” (Almeida, Edição Contemporânea) Portanto, a morte é o estado de inexistência. O salmista escreveu que, quando alguém morre, “ele volta ao seu solo; neste dia perecem deveras os seus pensamentos”. (Salmo 146:4) Portanto, os mortos estão inconscientes, inativos.


Quando Deus sentenciou Adão, ele declarou: “Tu és pó e ao pó voltarás.” (Gênesis 3:19) Antes de Deus formá-lo do pó do solo e dar-lhe vida, Adão não existia. Quando Adão morreu, ele voltou à mesma condição. Sua punição foi a morte, não a transferência para outro domínio. Então, o que aconteceu com a sua alma? Visto que na Bíblia a palavra “alma” muitas vezes simplesmente se refere a uma pessoa, quando dizemos que Adão morreu, estamos dizendo que a alma chamada Adão morreu. Isso talvez pareça estranho a alguém que crê na imortalidade da alma. No entanto, a Bíblia declara: “A alma que pecar — ela é que morrerá.” (Ezequiel 18:4) Levítico 21:1 fala duma “alma falecida” (dum “cadáver”, A Bíblia de Jerusalém). E mandou-se aos nazireus que não se chegassem “a nenhuma alma morta” (“defunto”, Pontifício Instituto Bíblico). — Números 6:6.


No entanto, que dizer da declaração em Gênesis 35:18 a respeito da morte trágica de Raquel, quando ela deu à luz seu segundo filho? Lemos ali: “Enquanto a sua alma partia (porque estava morrendo), ela chamou-o pelo nome de Ben-Oni; mas o seu pai chamou-o de Benjamim.” Será que esta passagem dá a entender que Raquel tinha no íntimo um ser que partiu quando ela morreu? De forma alguma. Lembre-se de que a palavra “alma” pode referir-se também à vida que a pessoa tem. Portanto, neste caso, a “alma” de Raquel simplesmente significava sua “vida”. É por isso que outras traduções da Bíblia vertem a frase “a sua alma partia” por “ela estava morrendo” (A Bíblia na Linguagem de Hoje), “no seu último suspiro” (Bíblia — Tradução Ecumênica) e “estando prestes a morrer” (Bíblia Vozes). Não há nenhum indício de que uma parte misteriosa de Raquel tenha sobrevivido à sua morte.


Algo similar se deu com a ressurreição do filho duma viúva, registrada no capítulo 17 de 1 Reis. Lemos no versículo 22 que, enquanto Elias orava sobre o menino, “Jeová escutou . . . a voz de Elias, de modo que a alma do menino voltou para dentro dele e este reviveu”. Novamente, a palavra “alma” significa “vida”. De modo que a versão Almeida, Edição Contemporânea, reza: “A vida do menino tornou a entrar nele, e reviveu.” Sim, foi a vida, não alguma forma indistinta que retornou ao menino. Isso está em harmonia com o que Elias disse à mãe do menino: “Vê, teu filho [a pessoa como um todo] está vivo.” — 1 Reis



P.S - Índio, a princípio, também não tinha alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário